BE alerta para estado das vedações de autoestradas destruídas pelo fogo

04.04.2018 |

O BE – Bloco de Esquerda mostrou-se preocupado com a deterioração das vedações na autoestrada A25 na sequência dos incêndios de outubro de 2017 e questionou o Governo sobre a necessidade de os concessionários reforçarem e recuperarem aquelas proteções.

“Na sequência dos graves incêndios rurais de 2017, foi requerida pelo Governo alguma avaliação da dimensão das falhas de segurança por deficiente estado de conservação das vedações de proteção nas autoestradas portuguesas?”, questiona o BE, numa pergunta enviada ao Governo via Assembleia da República.

O partido pergunta também “que medidas tomou o Governo para garantir que as concessionárias reponham com urgência as condições de segurança e conforto” nestas vias.

O BE quer saber se “o Governo tem conhecimento dos problemas de falta de segurança que resultam da deterioração das vedações de proteção nas autoestradas portuguesas” e questiona que ações serão indicadas às concessionárias enquanto não forem integralmente repostas as vedações destruídas ou danificadas.

O grupo parlamentar bloquista diz que tem recebido “várias informações sobre troços das autoestradas portuguesas em que as vedações obrigatórias de proteção lateral permanecem destruídas ou em más condições, sobretudo nas áreas de maior incidência dos incêndios florestais de 2017, não estando garantida a devida segurança de circulação aos utentes daquelas vias rodoviárias, principalmente face ao risco de atravessamento de animais”.

“A confirmar esta situação, têm sido noticiados acidentes rodoviários nas autoestradas e atropelamentos de animais domésticos e silvestres provocados pela colisão de viaturas com animais. Recentemente, no passado dia 22 de fevereiro, cerca das 00:30 horas, ocorreu um acidente grave na A25, ao quilómetro 58,5, resultante do embate da viatura que circulava no sentido Aveiro-Viseu com um javali. A viatura teve ‘perda total’ e o condutor foi conduzido ao Centro Hospitalar de Viseu”, alerta o partido.

Foi possível constatar posteriormente, diz o BE, que “na zona do referido acidente a vedação de segurança obrigatória estava danificada, aparentemente devido aos incêndios florestais, permitindo a entrada de animais”.

No entanto, “a concessionária não assumiu responsabilidades nas causas que conduziram ao acidente”.

É exigível, por isso, defende o BE, “que a vedação existente responda com eficácia à tentativa de entrada de animais na autoestrada”.

Os incêndios de outubro de 2017, que atingiram sobretudo a região Centro, provocaram 49 mortos e a destruição de milhares de habitações e empresas, além de uma vasta área florestal.