Câmara de Tondela aposta na promoção do vinho branco do Dão

06.07.2018 |

A Câmara de Tondela investiu mais de 30 mil euros na terceira edição do Tondela Brancos Dão, que se realiza este sábado e que conta com 14 produtores da região.

“São custos mais elevados que nos anos anteriores, desde logo pelo próprio processo de organização, na medida em que o espaço onde vai decorrer, contíguo ao Parque Urbano, terá uma tenda suporte de grandes dimensões, mas também pela própria programação que está associada”, explicou o presidente da Câmara de Tondela.

Amanhã, estarão no local dois ‘chefs’ de cozinha, Diogo Rocha e Manuel Figueira, a promoverem degustações com produtos regionais, e dois enólogos, Carlos Silva e Anselmo Mendes, a realizarem provas comentadas.

As provas comentadas começam a seguir ao almoço e durante toda a tarde haverá um conjunto de provas, de mostras, de atividades também musicais, “dando um enquadramento apropriado para a boa promoção do vinho”.

O dia tem agendadas atuações de várias áreas musicais como, por exemplo, a presença de um Dj e de um trio de jazz, de forma a atingir-se todo o tipo de público.

O certame conta com 20 produtores: 14 da região e seis da região convidada, a Região Demarcada dos Vinhos Verdes, do norte de Portugal.

“Este é o ano em que estamos a consolidar este projeto que teve o ano zero, de arranque, e o de período de ajustamento. E este ano diria que é o grande ano de consolidação, depois do percurso feito e da evidência da sua importância, queremos que se consolide e que possa crescer e enraizar-se com maior propriedade”, assumiu o autarca.

José António Jesus quer que seja “um grande evento de promoção de vinhos brancos do Dão”, uma vez que este território é aquele que apresenta as “melhores características” para a produção de brancos.

“Todos os estudos científicos apontam para que esta seja uma das regiões, quer de clima, relevo, humidade, quer de solos, que melhor características apresenta para a produção de excelentes vinhos brancos, em particular tendo em conta a própria acidez”, especificou.

Todas estas características levam José António Jesus a dizer que “não é de estranhar que os produtores tenham produtos de grande qualidade e vencedores dos melhores prémios”.

“Pretende-se que seja uma área de afirmação e de experimentação e também é bom que as pessoas possam ter este contacto com produtores, até porque, de há uns anos a esta parte, voltou a haver um incremento e uma nova valorização destes produtos e agora com uma qualidade muito redobrada”, considerou.