Ministro da Saúde elogia rapidez na resposta dada na Lajeosa do Dão após tragédia

31.10.2017 |

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, disse hoje que o caso da farmácia da Lajeosa do Dão é “um bom exemplo de como a sociedade, de uma forma espontânea, se organiza”.

A Farmácia da Lajeosa do Dão, que ardeu no incêndio do dia 15 de outubro, no concelho de Tondela, recomeçou a servir a população desde o dia 17 de outubro, nas instalações da Junta de Freguesia.

“Como sabem as farmácias hoje são cada vez mais pontos de atendimento e prestação de cuidados que integram o sistema de saúde. Nestas regiões do país, a farmácia é um ponto de encontro e de confiança dos cidadãos”, sublinhou o governante.

Adalberto Campos Fernandes adiantou ainda que, “face ao incêndio que atingiu as instalações da farmácia da Lajeosa do Dão, foi possível, em 24/36 horas, com a ajuda da Junta de Freguesia local, com a Ordem dos Farmacêuticos e com dono da Farmácia, a população ver satisfeitos os seus cuidados farmacêuticos”.

Antes da deslocação à vila da Lajeosa do Dão, o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, visitou as pessoas internadas no Centro Hospitalar Tondela-Viseu, na sequência dos incêndios, garantindo que se encontram “em fase de recuperação” e que algumas terão alta hospitalar “a curto prazo”.

Depois de uma visita aos dez doentes queimados internados em Viseu, quatro no serviço de Neurocirurgia e seis no serviço de Cirurgia, o ministro da Saúde informou que ao todo continuam internadas 44 pessoas em diferentes unidades de saúde do país.

O representante do Governo evidenciou ainda a forma espontânea como os profissionais de saúde se organizaram nas primeiras horas pós incêndios, sem orientações políticas.

Ainda em Viseu, Adalberto Campos Fernandes marcou presença na cerimónia de assinatura do contrato de adjudicação da obra de alargamento e remodelação da urgência polivalente do Centro Hospitalar Tondela Viseu.