Socialista António Borges quer para valorizar trabalho do Governo

09.03.2018 |

O presidente da Federação de Viseu do PS, António Borges, que será eleito, este sábado, para um terceiro mandato, aposta na valorização do trabalho realizado desde 2015 pelo Governo socialista.

Candidato único às eleições do PS no distrito de Viseu, António Borges vai apresentar ao XVIII Congresso da Federação, que se realiza em Resende, no dia 25, uma moção que considera “muito importante valorizar o trabalho do Governo liderado por António Costa”.

O candidato realça a “necessidade de (…) responder às expectativas e esperanças que os portugueses, em particular os viseenses, depositam no Partido Socialista”, segundo a moção de orientação política, sob o lema “Continuar a ganhar o futuro com o PS”.

“O virar de página das políticas da direita que nos governou”, bem como “as novas políticas que estão hoje em marcha”, representam “uma melhor repartição da riqueza e do esforço de recuperação nacional, mais rendimentos para as famílias, menos carga fiscal, mais apoios e aumento das prestações sociais, menos desemprego e mais inclusão”, refere.

António Borges afirma que o Governo ”regista um assinalável sucesso, construindo uma grande estabilidade governativa, atingindo resultados únicos nos mais diferentes domínios, com a economia a crescer como não aconteceu nas últimas décadas”.

O trabalho do executivo, apoiado na Assembleia da República por todos os partidos da esquerda parlamentar (PS, BE, PCP e Verdes), tem obtido o “reconhecimento dos seus parceiros europeus, consubstanciado na nomeação do ministro das Finanças”, Mário Centeno, para a presidência do Eurogrupo.

“António Costa, enquanto primeiro-ministro e também como secretário-geral do nosso partido, ganhou a confiança dos portugueses, faz com que todos possamos acreditar e deixa a esperança de um futuro para todos no país que sempre fomos”, acentua António Borges.

No país e no distrito de Viseu, “os socialistas averbaram (…) a sua maior vitória de sempre” em autárquicas, nas eleições de 01 de outubro de 2017.

“Ganharam como antes nunca tinha acontecido, transformando-se na grande referência do poder local democrático em Portugal”, acrescenta, numa introdução à moção política.

O documento “representa esse caminho em que todos” estão a ganhar, “mas acima de tudo os portugueses sem voz”, salienta ainda António Borges, ao defender que “o futuro constrói-se com uma vitória nas próximas eleições legislativas de 2019”, incluindo no distrito de Viseu, sendo estas “as grandes linhas que mais que justificam” a sua recandidatura à liderança da Federação do PS.