Jornal da Beira em Viseu celebra centenário com nova imagem

10.01.2020 |

O Jornal da Beira, em Viseu, completa, este ano, 99 anos e dá início a um ciclo de atividades comemorativas do centenário, nas quais se destaca, por exemplo, a nova imagem do periódico, disse o seu diretor.

À agência Lusa, o responsável Nuno Azevedo contou que o Jornal da Beira comemorou no dia 09 de janeiro 99 anos e, nesse dia, abriram as comemorações do centenário, que culmina com uma “grande cerimónia religiosa de ação de graças na Sé Catedral de Viseu”.

Ao longo deste ano vão surgir diversas atividades, “desde uma exposição temática sobre comunicação, algumas reflexões sobre a arte de comunicar hoje e a atualidade desta mesma questão” e, em breve, surgirá um núcleo museológico no edifício da sede do jornal diocesano.

“Vamos criar, junto à livraria, no Paço Episcopal, um pequeno espaço de memória com o que foi a tipografia do jornal que, entretanto, desapareceu, com o que era do fabrico de hóstias que hoje também está completamente diferente, com um bocadinho de história destes 100 anos”, resumiu.

A atravessar um momento “mais ou menos estável”, o Jornal da Beira conta com mais de 2.000 assinantes, na sua maioria residentes em Portugal, mas o objetivo do diretor, que é também sacerdote, “é aproximar mais o jornal dos cidadãos” e dá-lo a conhecer.

“Vamos tentar chegar mais junto das comunidades da nossa diocese, porque uma das coisas que a mim, como diretor, me causa alguma surpresa, é que há muita gente na diocese de Viseu que desconhece que a diocese tem um jornal, quando ele está a comemorar 100 anos”, assumiu.

Um desafio que também se coloca pelo facto de a diocese não corresponder à mesma área do distrito de Viseu, uma vez que a norte do distrito está a diocese de Lamego.

E a diocese de Viseu contempla também os concelhos de Fornos de Algodres e Aguiar da Beira, do distrito da Guarda: e o Jornal da Beira “também faz notícia e dá ecos dessas comunidades”, lembrou o responsável.

“Mesmo sendo um jornal da diocese, de cariz religioso, nós procuramos ter sempre muito esta dimensão regionalista e esta dimensão de toda uma cidade e região, de toda a identidade desta zona beirã, que está no próprio nome do jornal e que não podemos esquecer”, disse.

Como principal desafio para o futuro, contou o diretor, mantém-se o mesmo dos dias de hoje, ou seja, “o desafio é coordenar o informar com o formar”, uma vez que o jornal “tem também a parte religiosa e não só de notícias do que se passa na diocese, mas também a parte formativa com as leituras de domingo e com a reflexão”.

“Não podemos esquecer que também faz parte da vertente católica, porque não nos limitamos a informar e a ser agentes noticiosos, mas também formamos com os valores cristãos, morais e cívicos que são base da nossa identidade”, acrescentou.