Vereadores do PS na Câmara de Tondela contestam protocolos

03.06.2019 |

Os vereadores socialistas na Câmara Municipal de Tondela, Joaquim Santos e Júlio Rodrigues, votaram contra o protocolo com a Casa do Povo de Tondela, alegando “desigualdade de tratamento” em relação a outras coletividades, e contra o protocolo de 20 mil euros para a Cooperativa Terras de Besteiros, considerando que “esta entidade não desenvolve nenhuma atividade enquadrada no movimento associativo, mas que continua a ser um sorvedouro de verbas públicas injustificáveis”.

A tomada de posição dos socialistas aconteceu na última reunião de Câmara, realizada a 28 de maio, quando em causa estavam os protocolos a estabelecer com o movimento associativo do concelho, no âmbito desportivo e no âmbito cultural.

Quanto às verbas dos protocolos com as freguesias, os vereadores do PS lamentam, em comunicado, que as freguesias não tenham sido, até agora, contempladas com um reforço de verbas dos contratos de delegação de competências para permitir que todas as juntas deixem de aplicar “glifosatos, vulgo herbicidas, continuando a envenenar os solos e os lençóis freáticos, em vez da limpeza manual ou de métodos modernos e inócuos para a saúde, na limpeza dos arruamentos e espaços públicos”.

Os socialistas lembram ainda que “há algumas e honrosas exceções, entre as quais as de gestão socialista, como a União de Freguesias de Tondela e Nandufe e a União de Freguesias de Caparrosa e Silvares que, no seu mandato, nunca utilizaram aqueles derivados químicos”.

Os vereadores do PS recordam igualmente, no mesmo comunicado, que, no dia 9 de abril, apresentaram uma proposta para proibir a utilização “daqueles venenos, perigosos para a saúde pública, a partir de 1 de janeiro de 2020”. A proposta terá sido diferida para a reunião do dia 28 de maio e acabou por ser chumbada pela maioria do PSD que, para Joaquim Santos e Júlio Rodrigues, “não foi sensível ao fim destes atentados ambientais”.

Foto: ruadireita.pt